terça-feira, 25 de abril de 2017

há dias em que ninguém nos cala

«A escola está cada vez menos interessante» disse-me há umas semanas, ao mesmo tempo que fazia aquele olhar como-é-que-se-dá-a-volta-a-isto.

Apesar do chamado «aproveitamento escolar» continuar a correr bem, a motivação e o interesse pelo que se aprende dentro duma sala de aula no 6º ano está no ponto de rotura. Contudo, a rapariga acaba sempre por nos surpreender e automotiva-se sabe-se lá onde, mas até quando?

Se tenho dias em que continuo a elogiar a escola pública tenho outros tantos em que só me apetece matá-la ainda mais. É um grande desejo poder ver tudo mudar um dia e que a minha filha ainda consiga apanhar qualquer coisa boa dessa mudança.

Só um exemplo no meio de vários este ano: o último teste de Português do 1º período do 6º ano foi igual ao do 5º ano — escrever uma carta ao Pai Natal — aperfeiçoando e enriquecendo o texto este ano com mais vocabulário. Não percebi a ligação de se estar no 6º ano e a da carta ao Pai Natal, como já não tinha percebido a do 5º. Nem no 1º ciclo a minha filha levou com a da carta ao Pai Natal!

Se já era contra os trabalhos de casa este ano sou mais. Assumo que já disse à minha filha para não os fazer, não há tempo para tudo e o ideal é já começar a aprender a fazer escolhas: ou faz os tpcs, ou adianta um trabalho de grupo, ou estuda para um teste ou descansa (o descansar inclui tudo o resto: ler um livro, ouvir música, tocar guitarra, dançar, conversar, comer e dormir — também é preciso!). Cá em casa depois das 18h é proibido estudar ou fazer tpcs. Só aceitaria que gastasse mais tempo a fazê-los se fossem para trabalhar as suas próprias dificuldades, a política dos tpcs serem iguais para todos (tenham ou não dificuldades) está mais que ultrapassada e a marcação duma falta para quem não os faz também já não se aguenta!

terça-feira, 18 de abril de 2017

momentos


Visito estes locais várias vezes e de cada vez que os visito tiro as mesmas fotografias, quase sempre com os mesmos enquadramentos, parece que me esqueço mas não é isso. Tenho sempre a esperança de um dia conseguir registar as sensações de olhar para a paisagem, de tão boas que são.

Na primeira imagem, a casa cor-de-rosa do lado direito da ponte tem o verso mais bonito.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

inspiração

A propósito de um outro assunto chamei a minha filha para conhecer este projeto — Eyes as Big as Plates — e reparei que ficou bastante impressionada! Falámos da mistura entre a poesia e o humor que as imagens nos transmitem, mesmo que os protagonistas estejam inseridos na paisagem dum modo tão solitário. No final, cada uma tentou escolher a sua fotografia favorita o que se tornou difícil.
Aprecio verdadeiramente esta fusão entre o ser humano com a natureza, de pertencerem um ao outro.

No site podemos ver ao longo de vários posts, como os protagonistas colaboraram ativamente na produção das fotografias e como se camuflaram com os elementos naturais da paisagem, com a ajuda das autoras do projecto — Karoline Hjorth e Riitta Ikonen.



domingo, 26 de março de 2017

heranças

Feitas em crochet (em espiral) pela minha avó materna.

quarta-feira, 22 de março de 2017

domingo, 19 de março de 2017

paisagem gráfica

Adiei tanto que a ia perdendo e seria uma pena, pois enche os olhos de qualquer designer gráfico.
Já conhecia algumas das imagens, das quais fui ao encontro a propósito de outros projetos, por curiosidade e de ser miúda e ter presente uma pequena recordação de alguns dos letreiros luminosos do Rossio.
Como ainda sou do tempo do catálogo da Mecanorma e da utilização das letras de decalque, adorei os projectos em papel e os esboços!

-----
«De dia, são figuras e nomenclaturas comerciais integradas nas fachadas dos edifícios e de noite reamanhecem a cidade com luzes de néon num multicolorido gritante, a apagar e a acender, enchendo de cor as ruas agora mais movimentadas numa cidade mais dinâmica. Nos dias chuvosos o aglomerado de luzes coloridas, refletidas e espalhadas no asfalto molhado, enriquece as noites de inverno.»

Exposição «Cidade Gráfica, letreiros e reclames de Lisboa do séc. XX» — Projeto Letreiro Galeria de Rita Múrias e Paulo Barata.
-----

quinta-feira, 16 de março de 2017

iniciação ao crochet – 6 de maio

Nas aulas de iniciação ao crochet costumo mostrar este colete que usei em pequena feito pela minha mãe. Está feito apenas com os pontos básicos, os quais ensino durante a aula.
Durante o workshop os alunos adquirirem as conhecimentos necessários para conseguirem realizar os pontos e saberem interpretá-los no papel, para mais tarde se aventurarem em projetos assim!

Está marcada para o dia 6 de maio uma nova aula de Iniciação ao Crochet na Retrosaria — para não se esquecerem da data podem seguir o evento na página de facebook.

sábado, 11 de março de 2017

dias de vitamina D

Ontem na praça, comprei morangos que tinham chegado de Palmela. Inicialmente fiquei desconfiada mas eram doces. A fruta começou a mudar as cores das bancadas e já perco tempo a olhar para a senhora das flores, é mesmo o clique para o início da primavera.


domingo, 5 de março de 2017

wip



Para os próximos colares.

quarta-feira, 1 de março de 2017

loja nova

Desde a semana passada que a loja tem um novo espaço online! Para mim será mais simples ter uma montra mais prática de organizar e espero que para vocês também seja mais fácil de consultar.
Reuni algumas peças para ficarem disponíveis e outras mais juntar-se-ão nos próximos meses. Como de costume, publico um post de aviso no blogue, mas para as novidades em primeira mão aconselho aos interessados subscreverem a newsletter.

O link para a loja mantém-se aqui ao lado na barra lateral e o email para mais informações ou dúvidas sobre as peças é este: perdiofioameada@gmail.com


terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

brevemente

É raro ter peças disponíveis na loja online, acabo por ir vendendo tudo o que tenho em à medida que recebo os pedidos por email.
Um dia teria de passar a dar mais atenção à loja e esse dia acabou por chegar. Colocar tudo num só sítio, mais visível e arrumado.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

12


De vez em quando terei de "calçar" os seus sapatos para voltar a lembrar-me que a adolescência nunca foi fácil.
Não deve ser por acaso que este é o momento em que começo a herdá-los.

sábado, 28 de janeiro de 2017


Mão Verde (Capicua & Pedro Geraldes) | Erva-de-cheiro


Mão Verde (Capicua & Pedro Geraldes) | Quente e Frio 

Os vídeos e as letras são uma delícia, e ficam na cabeça :-)

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

wip

Desenhar, livremente e sem gráficos, um colar.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017



O potencial dos napperons numa recolha de texturas para a escola.

domingo, 15 de janeiro de 2017

futuras gomas


Dos melhores locais para fazer compras a granel continuará a ser a praça, onde encontro quase tudo o que procuro fora de embalagens desnecessárias. Também recorro a outras pequenas mercearias e às lojas antigas de bairro que vendem chá e café a peso — as recentes e bonitas lojas que vendem a granel, e que são notícia, não são propriamente uma novidade porque o conceito sempre existiu.

Os morangos, os mirtilos, o aloé, a maçã e a manga chegaram-me através de uma amiga que nas suas idas à praça lembrou-se de mim e ainda juntou um tesourinho. Estou mesmo a ponderar que as futuras festas cá em casa possam vir a ter "gomas" destas. 

domingo, 8 de janeiro de 2017